Para Edu Lyra, Brasil precisa começar a produzir líderes

Palestrante falou sobre a importância de surgirem pessoas que pensem além de diferenças ideológicas, classe ou cor

    • ACidadeON
    • José Manuel Lourenço
Amanda Rocha / Especial
Eduardo Lyra (direita), ao lado do economista e professor da Unesp, Leandro Morais (centro) e o gerente regional do Sebrae, Fernando Sanches (Foto: Amanda Rocha / Especial

 

Em uma das apresentações mais surpreendentes das três edições do Agenda Araraquara, um jovem nascido em uma favela de Guarulhos, em barraco de chão de terra batida e que teve na violência e discriminação companhias constantes, fez um discurso emocionante em defesa da conciliação e do diálogo nacionais, como forma de tornar o Brasil um país com menos desigualdades sociais.

Longe de ser piegas, a apresentação de Eduardo Lyra, 29 anos, fundador do Instituto Gerando Falcões, de São Paulo, mostrou que esse processo de pôr para conversar, por exemplo, direita com esquerda e ricos com pobres deve ser feito por líderes que tenham a percepção da necessidade de superar as diferenças. 

“O que eu quero dizer é que líderes são aquelas pessoas que têm a sensibilidade de entender que alguns momentos são mais delicados do que outros. E, que o Brasil enfrenta um período muito delicado da sua história e, nessas horas, a gente não pode olhar para as diferenças”, afirmou. “É inaceitável que o lugar onde alguém nasça determine onde vai chegar na vida. O que vai determinar é a força do espírito humano, a garra, o sonho e a coragem. Mas, para fazer isso, precisamos de líderes”, disse.

Amanda Rocha / Especial
Debate teve apresentação de Paulo Brasileiro (EPTV), prefeito Edinho Silva e os deputados Márcia Lia e Roberto Massafera (Foto: Amanda Rocha / Especial)

 

É Nóis

E, quem são os líderes? Para Eduardo Lyra, são atores (locais, regionais ou nacionais) cujas características estão presentes em duas expressões largamente usadas em comunidades: “É Nóis” e “Tamo Junto”.

A primeira, no sentido de que seja alguém que chame para si a responsabilidade em momentos críticos; a segunda, que mesmo com essa atitude, tenha a sensibilidade de perceber que a mudança não se faz sozinho, mas em conjunto.

A terceira edição do Agenda Araraquara discutiu o empreendedorismo social e foi realizada nesta sexta-feira (25) no Sesc Araraquara.

Frases de Edu Lyra

"Ganhei uma bolsa de estudo para fazer um curso de liderança em Harvard. No entanto, Harvard não conseguiu me ensinar mais sobre liderança do que a minha mãe."

"Sair da senzala ainda é uma exceção para poucos “Edus”. Mas, quando a gente consegue reunir numa sala tantas lideranças, tantas boas cabeças, acredito que isso vai deixar de ser uma exceção e virar a regra."

"Se a gente quiser virar o jogo social do nosso país, vamos ter de responder a uma difícil pergunta: se vamos ter ou não coragem de olhar para o problema e dizer, agora é comigo."


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.